terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

RESENHA - Você se lembra de mim?


" - Ei, menina! Ei, bravinha! Amo você!
Ela sorriu. Jogando-lhe um beijo com a mão, gritou:
- Al di là, meu amor. Al di là!"

Megan Maxell conta que o livro baseia-se na história de sua mãe, e ela quis dar um final feliz a essa história. O livro é dividido em duas partes: a primeira seria a juventude de sua mãe na Alemanha, nos anos 60; e a segunda, o suposto final feliz, já "atualmente". Eu não esperava essa divisão, mas adorei! Essa primeira parte conta a história de Carmen e Loli - duas irmãs com seus 20 e poucos anos - a partir do momento que saíram da Espanha, e embarcaram num trem para a Alemanha. No meio da viagem, encontraram uma menina com mais ou menos a idade delas, Teresa, que iria para a mesma cidade que elas, e trabalharia na mesma fábrica. De cara ficaram amigas e, juntas, foram se acostumando a vida na Alemanha. Um tempinho depois conhecem Renata, uma mulher alemã de personalidade forte, e as quatro vão formando uma grande amizade.
Conforme a história vai se desenrolando, o livro começa a focar mais em Carmen, que depois de um tempo na Alemanha conhece o soldado americano Teddy. Os dois têm uma história de amor incrível, talvez um pouco clichê, mas são separados devido a guerra no Vietnã. A vida de Carmen depois da partida de Teddy se transforma: ela descobre que está grávida, e decide manter o bebê. Mas, além de ter que lidar com isso, a ausência de Teddy deixa ela muito mal, apesar de sempre trocarem cartas. A trama vai seguindo e as meninas vão se distanciando, cada uma indo para um lugar do mundo. Só que lá pelas tantas, depois de ganhar a bebê, que Carmen dera o nome de Alana - o mesmo nome da avó de Teddy, que o havia criado -, ela parou de receber as cartas do amor de sua vida, e nunca mais ficou sabendo como e onde estava Teddy, ou mesmo se ele estava vivo.
35 anos depois, começa a segunda parte do livro, onde a principal história é contada. Damos de cara com Alana já crescida, convivendo muito bem com sua mãe e suas amigas - uma mais chegada, Isa -, e trabalhando numa importante revista de Madri. Ao ir a Nova York para fazer uma matéria para a Exception, Alana encontra Joel Parker, um atraente Capitão americano. Quando soube dessa última informação, a jornalista se desesperou e saiu correndo. Só que as coisas entre eles não pararam por aí, e o casal da vez acaba se encontrando de novo. Mas Alana tem um pé atrás com Joel por ele ser um soldado, e ainda mais americano (!). Será que ela vai conseguir deixar de lado as lembranças que tem de sua mãe sofrendo por amor e se entregar por inteiro a Joel, ou o passado mal resolvido com seu pai vai afetar demais sua vida amorosa?

A autora traz uma carga de contexto histórico, que eu amo, e sua escrita é bem envolvente. Também achei interessante ela fazer menção de várias músicas - na maioria dos anos 60 -, e a protagonista da primeira parte registrar alguns momentos em seu diário, o que nos dá uma proximidade maior com Carmen e seus sentimentos. Megan mostra a vida dos personagens de perspectivas diferentes, e os mesmos foram muito bem construídos. Minha única "reclamação" é que o livro deu grande enfoque no erotismo de uma hora para outra, mas, parando pra pensar, talvez Megan tenha feito isso de propósito, para marcar bem a época. Enquanto lia as últimas páginas, percebi que o livro me fez ficar mais emocionada e envolvida com a trama do que eu imaginava estar. E, como uma amante de epílogos, tenho que dizer que esse - além dos últimos capítulos - superou minhas expectativas. 
Você se lembra de mim? deixa uma mensagem muito boa de que devemos aproveitar ao máximo o presente, sabendo que o futuro vai vir, apesar de não saber o que esperar dele. A amizade de mãe e filha entre Alana e Carmen, e melhores amigas, entre Alana e Isa, também me emocionaram muito, além das cenas onde Joel se revelava um fofo, maravilhoso e admirável homem. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário