RESENHA - Orgulho e Preconceito

Tenho tanto a falar sobre Orgulho e Preconceito que nem sei direito por onde começar. Bom, o livro é um clássico que foi escrito pela MARAVILHOSA Jane Austen, e foi publicado em 1813, sendo seu segundo livro, e se passa na Inglaterra, onde Jane vivia. Apesar de ser antigo - SÉCULO XIX, GALERA! -, ele aborda temas muito atuais, mas que precisavam ser bem mais discutidos na época, como, por exemplo, a interferência da família e amigos nos relacionamentos. Outro tema polêmico - muito mais naquela época - é a diferença das classes sociais, e como elas podem separar cidadãos que, na verdade, são iguais, uns tendo mais dinheiro e status, outros menos. Um trecho que me chamou muita atenção foi esse, mais para o final do livro, em que Elizabeth (personagem principal) fala a Lady Catherine (tia do Darcy):
"- Casando-me com seu sobrinho, eu não me consideraria deixando essa classe. Ele é um cavalheiro; eu sou a filha de um cavalheiro; assim sendo, somos iguais."
QUE LACRE!
Agora vamos para a história em si. Após a chegada do sr. Bingley, um jovem rico, a Hertfordshire, a sra. Bennet já quer casá-lo com uma de suas cinco filhas: Jane, Elizabeth, Mary, Kitty e Lydia. Mas o sr. Bingley não chegou sozinho; veio junto o arrogante sr. Darcy. Então, como de costume, acontece um baile, e as cinco filhas são apresentadas aos cavalheiros. Mas o sr. Bingley só tem olhos para a amável Jane, e dança com ela por quase toda noite. Lizzie, além de irmã é muito amiga de Jane, e faz o maior gosto pelos dois, pois claramente estão ficando apaixonados. Mas, com alguns inevitáveis encontros, Lizzie acaba por praticamente odiar o sr. Darcy, e tem muitas discussões com ele. Acontece que o mundo dá voltas, não é mesmo?
Vou parar de falar sobre a história para não dar spoilers, porque acho que todo mundo precisa ler Orgulho e Preconceito. A escrita da Jane Austen é inteligente e perspicaz, e ela trabalha com uma ironia muito, mas muito boa, que, por mais que os personagens possam estar discutindo, faz a gente rir bastante. A Jane devia ser muito atenta para captar esses acontecimentos da época e relatá-los, criticando muitos "padrões"; ela com certeza tinha uma visão mais avançada que o resto da sociedade. Eu comecei o livro há um bom tempo, aí larguei ele um pouco, voltei, dando umas paradinhas, e lá pelo meio do livro voltei com tudo! E ah, como foi bom! Ri, xinguei, me surpreendi, fiquei filosofando... realmente têm motivos para ser um clássico!
O filme - sim, o livro teve uma adaptação cinematográfica - também é excelente e, por mais que algumas partes do livro não foram inseridas no filme (o que é muito comum de acontecer), dá para pegar a essência do livro, e também notar o humor irônico que a Jane Austen traz na obra. Além disso, o filme conta com uma fotografia incrível, que dá vontade de chorar (hahah). Vale muito a pena conferir ambos!

Comentários

  1. Orgulho e preconceito é minha história preferida de época. Ameeeeeeei sua resenha, que bom que gostou. Amo o filme também, apesar de achar que poderiam ter acrescentado algumas cenas... parabens pelo blog, beijos!

    Blog: http://literarte.blog.br/
    Insta: instagram.com/blogliterarte
    Twitter: twitter.com/yasmimsaks

    ResponderExcluir
  2. Orgulho e Preconceito foi um dos primeiros romances de época que li, e me apaixonei completamente hahah! Fico feliz que tenha gostado da resenha! Obrigada, e teu blog tá muito lindoo! Beijos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O segredo do amor próprio - Feliz Dia da Mulher!

RESENHA - O Poder da Língua

Minh'alma