Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2017

RESENHA - Prometida

Imagem
"Minhas convicções não mudaram; a diferença era que agora eu as expressava. Tinha liberdade para ser eu mesma. E para ser amada pelo mesmo motivo. Fora isso que aprendera com Lucas. Ele se apaixonara pela ilusão que eu representava, mas amara o meu verdadeiro eu."

Prometida é o quarto volume da série Perdida, da - maravilhosa - Carina Rissi. Em Perdida e Encontrada nós vemos tudo pelo ponto de vista da Sofia; em Destinado pelo ponto de vista do Ian; e agora em Prometida, pelo da Elisa. Eu já amava a personagem desde antes, achava ela um amor, um doce. Em Prometida nós vemos essa mesma doçura, mas com uma Elisa mais velha, crescida e cheia de si (o que foi muito bom).  Simplesmente amei voltar para esse mundo tão legal criado pela Carina! Alguns anos se passaram depois de Destinado, e Elisa se vê - quase - numa crise de identidade. Ela não sabe o seu lugar no mundo, por que tudo é como é, e também não está tão alegre como sempre fora. Mas, essa "tristeza" tem um nom…

RESENHA - Orgulho e Preconceito

Imagem
Tenho tanto a falar sobre Orgulho e Preconceito que nem sei direito por onde começar. Bom, o livro é um clássico que foi escrito pela MARAVILHOSA Jane Austen, e foi publicado em 1813, sendo seu segundo livro, e se passa na Inglaterra, onde Jane vivia. Apesar de ser antigo - SÉCULO XIX, GALERA! -, ele aborda temas muito atuais, mas que precisavam ser bem mais discutidos na época, como, por exemplo, a interferência da família e amigos nos relacionamentos. Outro tema polêmico - muito mais naquela época - é a diferença das classes sociais, e como elas podem separar cidadãos que, na verdade, são iguais, uns tendo mais dinheiro e status, outros menos. Um trecho que me chamou muita atenção foi esse, mais para o final do livro, em que Elizabeth (personagem principal) fala a Lady Catherine (tia do Darcy): "- Casando-me com seu sobrinho, eu não me consideraria deixando essa classe. Ele é um cavalheiro; eu sou a filha de um cavalheiro; assim sendo, somos iguais." QUE LACRE! Agora vamos …

O cachorro e o engravatado

Na última quarta-feira, eu estava andando até o ponto de ônibus com a minha mãe, para ir para casa. Um tempinho depois de chegarmos à parada, vimos um cachorro perambulando por ali. Falamos um pouquinho com ele e tal, mas logo ele se afastou, ficando ainda à nossa vista. Ficamos com uma certa pena do cachorrinho, pensando de quem ele seria, se estava perdido, ou se era um cachorro de rua. Minha mãe comentou comigo: - Ele não parece totalmente abandonado, não está tão magro para ser um cachorro sem dono. Então eu lembrei da cena que tinha visto poucos dias antes. Eu estava no ônibus, indo para o shopping, quando vi um cachorrinho - da mesma cor do que estávamos falando - atravessando a avenida - a mesma na qual estávamos - e quase, mas QUASE MESMO, sendo atropelado. Ao olhar aquilo, da janela do ônibus, me deu um desespero e uma peninha do bichinho que estava andando sozinho por uma rua bastante movimentada. Porém, minutos depois eu já havia esquecido o ocorrido, indo lembrar apenas e…

Sobre o amor

É "engraçado" como as pessoas têm uma ideia errada de Jesus. E é ainda mais engraçado que isso possa ser (parcialmente ou não) nossa culpa. Jesus nunca julgou ou segregou alguém. Mas o que fazemos, muitas vezes sem nem perceber? Julgamos e segregamos. Será que estamos vivendo aquilo que acreditamos? Será que estamos amando como deveríamos? Será que daríamos nossa vida por amor a alguém? O mundo está cheio de preconceitos e estereótipos. Porém, pelo menos quem é cristão, sabe que Deus não quer assim; não é desse jeito que funciona para Ele. Ele aceita todos, sem exceções. E se essa é a vontade de Deus, e queremos realizar essa vontade, devemos tratar todos igualmente. "Sobretudo, amem-se sinceramente uns aos outros, porque o amor perdoa muitíssimos pecados" (1 Pedro 4:8). Amar nossos familiares, nossos amigos, é fácil; são pessoas que gostamos. Mas, sendo isso fundamental, amar quem não conhecemos ou quem não gostamos muito... já complica. A questão é que sem o amo…