domingo, 18 de setembro de 2016

"Liberdade, liberdade"

O conceito de liberdade varia muito de pessoa para pessoa. Claro, no dicionário pode ser o mesmo sempre, com palavras difíceis e tal (estou com preguiça de procurar), mas cada um entende por liberdade o que quiser. Afinal, todos são livres.
Alguns acreditam que ter liberdade é fazer tudo o que quiser. Curtir a vida, aproveitar e abusar de cada segundo. Viver sem arrependimentos. Sério? Sem arrependimentos?
Outros, pensam que ser livre é poder sair na rua, ter seu trabalho e sua vida. Só. Também, pra quê perder tempo pensando muito nessas coisas? A vida é assim e pronto. 
Já eu (e tomara que outras pessoas também), acredito que liberdade é saber que tu pode fazer "o que quiser" (as aspas são pra lembrar que existem leis), mas também saber que essas escolhas que tu fizer geram consequências. E, além disso, sei e vivo uma outra liberdade: a liberdade de Jesus. Essa liberdade é a melhor! Tu é livre, tu sabe que existem escolhas e consequências, e tu tem um manual (Bíblia) pra te direcionar a fazer as escolhas certas. E melhor ainda: tu pode ser amigo do escritor desse manual, que, literalmente, sabe tudo e de tudo.
Então, pra quê viver sem pensar no depois, se o depois VAI VIR? Ele existe! Sim, as consequências existem, e podem vir logo em seguida, ou mais tarde. Também acredito que devemos aproveitar a vida, mas de um jeito que, REALMENTE, não nos arrependeremos. Como fazer isso? Aproveita os momentos com tua família; nunca se sabe quando tu não vai mais ter eles por perto (aliás, ora pra Deus os guardar). Não cria inimigos; algum dia tu pode precisar deles. Quando tu ver o céu bonito, com diferentes tons, não tira só uma foto e esquece; continua olhando e admirando. 
Enquanto escrevia isso, minha gata começou a puxar brincadeira comigo. Parei de escrever e fui brincar com ela, pois não sei quando não terei mais ela comigo. Pra não terminar esse texto com um clima de bad, quero te lembrar que existe um Deus - O Deus; O Cara - que está sempre pronto pra te consolar e ser teu refúgio. Ele está ali para dar conselhos e para corrigir. Vale a pena conhecer esse Deus, te garanto! E esse foi meu textinho filosófico. Acabei.


terça-feira, 13 de setembro de 2016

Confissões de alguém que detesta faltar aula

Se você leu esse título e se perguntou "O que essa menina tem na cabeça? Quem não gostar de matar aula?" saiba que eu também gostaria de ter resposta para essas perguntas. Acontece que eu sou muito certinha pra algumas coisas e gosto de ter toda a matéria no caderno. É bem estranho, eu sei.
Claro que eu gosto de ficar em casa (muitas vezes prefiro isso do que sair e ir para uma festa, ou algo assim), sem precisar me arrumar e tal, mas eu realmente prefiro ir na aula, se posso. Fico com medo de algum professor ter dado algo MUITO IMPORTANTE e aí eu vou mal na prova porque faltei aula. Ou também, bem no dia que eu faltei, um professor passa um filme. - Inclusive isso já aconteceu e eu fiquei bem braba comigo mesma.
Além disso, no dia seguinte, vêm os teus amigos te perguntar por que você faltou, achando que você deve explicação pra eles. "Ah, eu estava cansada, aí meus pais deixaram eu faltar." Isso é o que eu mais falo. Bom, eu gostaria de ficar sabendo se tem mais alguém que não gosta de faltar aula; isso me faria mais feliz e menos estranha.
*Este texto não foi escrito com o intuito de obrigar uma pessoa a se pronunciar se concorda com a escritora, mas se se essa mesma pessoa quiser, está livre. Livre mesmo.

*sem criatividade para um título*

Saindo da padaria, a mulher não fazia ideia do que a esperava. Levava uma vida calma e solitária, e a leve chuva que caia era a sua única companhia. Saiu caminhando lentamente na direção de sua casa, nem um pouco preocupada em se molhar. Observar a brincadeira das crianças, os carinhos trocados pelos namorados... tudo isso a fazia feliz. E foi isso que a mulher fez até chegar em casa. Mas o mundo dá voltas. Agora, era a vida dela que daria aos outros o que falar.
Ao ver o que a aguardava no portão do sobrado, seu coração quase parou. Lágrimas brotaram em seus olhos e ela foi abrindo um tímido sorriso, alheia aos latidos do cachorro da vizinha. O seu primeiro amor estava lá, esperando seu abraço. Depois de tanto tempo, ela quase o havia esquecido. Quase.
Mas foi se lançar nos seus braços, deixando as sacolas caírem, que tudo voltou. Todas as sensações, todas as emoções. E foi assim que começou o seu tão desejado "final feliz".