quinta-feira, 28 de julho de 2016

Esse mundo doido...

Caos. Gritaria. Guerra. Terror. Pânico. Medo. No que transformamos o mundo?
Fico me perguntando como o mundo seria se o homem não fosse tão egocêntrico e mau. Sim, mau. Por quê tantas guerras? Por quê tanta ganância? Parece que ainda não aprendemos os verdadeiros valores da vida. Ainda pensamos que é o dinheiro que faria a diferença, tornaria tudo melhor. Porque essa parece ser a motivação para tanta maldade e trapaças: riquezas. O poder ainda está presente, mas agora é diferente. Agora o que torna um homem poderoso é o dinheiro.
Mas estamos plenamente enganados se pensamos que o problema está só nos ricos, só no governo. Afinal, o governo é reflexo do seu povo. Quando colamos na prova; quando furamos uma fila; tudo isso é uma forma de corrupção. OPA! "Mas isso é normal, todo mundo faz..." É, se isso é normal e todo mundo faz, por que os governantes não podem desviar milhões de reais, só para seu "bem-estar"? Se estão todos fazendo...
Ao ver uma notícia de um jovem que se suicidou, todos ficam em choque. "Mas como? Por quê? Devia ter algum problema com drogas..." O que essas pessoas não sabem - ou não querem saber - é que podem estar causando uma vontade de o próprio filho não querer mais viver. Achar que é inútil. Será mesmo que tanta briga, castigos e xingamentos são proveituosos? Uma coisa é educar, outra é maltratar.
Esse mundo doido me deixa doida. Me dá vontade de dar uma sacudida em todo mundo e gritar "ACORDA! CHEGA!". Mas não posso fazer isso. Já que não posso, estou escrevendo isso. Esse mundo doido... dá vontade de me mandar. Vontade de voltar uns séculos e explicar que não é assim que se faz. O mundo já passou por tanta coisa ruim. Ainda passa. E só porque ainda não aprendemos. Esse mundo doido me deixa doida.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Ah é, esqueci de comentar que sou cristã

Esse Deus se passa! Definitivamente, Ele se passa! Alguns trechos, como "o mundo jaz do maligno", ou "tudo posso naquele que me fortalece", nunca fizeram tanto sentido para mim como estão fazendo agora. E, a cada tentativa do diabo me deixar mais fraca, mais vulnerável, ele só me deixa mais focada no meu alvo, que é Jesus. Estou escrevendo isso apenas para mim, para que eu nunca me esqueça desse momento de nervosismo, que virou calmaria; desse momento de tristeza, que virou alegria.
As coisas ruins acontecem porque "o mundo jaz do maligno". E, mesmo com todas essas coisas tão horríveis e chocantes, eu tenho Deus, que me dá todo o poder - e armadura - para eu enfrentar essas barbáries, que muitas vezes podem ser ciladas. Então, "tudo posso naquele que me fortalece". A Palavra de Deus nunca esteve tão clara e certa para mim. Além de tudo isso, - que parece ser complexo, mas na verdade é bem simples - Jesus morreu por nós. Por amor ao Pai e à nós. E como Deus é assim, MUITO top, Ele ainda ressuscitou o Seu filho.
Então, volto a afirmar: esse Deus maravilhoso se passa.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

LIVRO OU FILME? - O Diabo Veste Prada

Bom, quero começar dizendo que eu primeiro assisti o filme - umas trocentas vezes -, e depois li o livro. O Diabo Veste Prada é da autora Lauren Weisberger, e foi publicado em 2003, sendo o filme lançado em 2006. O livro conta a história de Andy, uma jornalista um tanto desiludida. Mesmo querendo trabalhar em um importante jornal de New York, onde o livro e o filme se passam, Andy consegue um emprego que "um milhão de garotas se matariam para ter". O tal emprego é ser assistente de um dos mais renomados nomes da moda, Miranda Priestly.
Nos primeiros dias no emprego, Andy se dá um pouco mal. Ela não entende nada de moda, e é considerada um fracasso pelas colegas de trabalho, e também pela exigente chefe, que não dá folga para a já formada jornalista. Mas então a protagonista para de se queixar e começa a se esforçar mais. É aquela famosa frase "o mundo dá voltas". Vou parar de falar sobre a história porque acredito que a maioria das pessoas que gostam de um bom "filme de menininha" já viu O Diabo Veste Prada. E se alguém não viu, é algum cara que não tá nem aí pra isso.
Agora, se eu achei o livro melhor que o filme, como geralmente é? Não. O livro é muito bom, sim, mas o filme supera. Lauren traz uma abundância de detalhes no livro, que às vezes nem são tão importantes. Acredito que o filme abordou melhor a história que a autora queria contar, do que a própria. Depois de uma crítica dessa, você pode estar se perguntando por que então eu achei o livro bom. Mas, repetindo, o livro é bom. O problema é que em algumas partes ele se torna um pouco maçante. Enfim, essa é a humilde opinião de quem comprou o DVD e o livro, só porque achou a história sensacional. Se você gostou muito do filme e tem uma certa curiosidade com o livro, não deixe de ler, por mais que demore. Vale a pena.

terça-feira, 19 de julho de 2016

Desabafo 2 - agora menos pesado

Meus queridos amigos, leitores, ou sei lá o que que vocês são: my feelings are hurt.
Por que?
POR QUE? Por ver Grey's Anatomy! Que. Série. Maravilhosa. Sério! Mas também que série que provoca uma mistura louca de sentimentos na gente! Eu fiquei chorando durante um tempão enquanto via uma season finale. Só vim aqui para desabafar mesmo - já desabafei com a minha mãe, que não entendeu nada.
Ah, aliás, minha mãe me pegou chorando e achou que eu estava fingindo. O que ela fez? Riu da minha cara. Obrigada, mãe. Mas, ok, ela é uma queridona.
Bom, se você estiver procurando uma série maravilhosa - e longa, o que deixa ela melhor ainda - para assistir, eu SUPER recomendo Grey's Anatomy. Mas se prepare, você provavelmente vai chorar (se você é como eu, que "entra" na série) bastante.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Desabafo

"Ele só atirou porque é isso que ele aprendeu a fazer"
"Só roubou para se sustentar"
"É moleque, pode fazer o que der na telha"
Enquanto tu é contra a "cultura do estupro", o moleque (que tu defende) tá estuprando. Não, não é porque ele não tinha outra escolha. Não é porque ele achava que tava certo. Ele sabia que tava errado. Sabia. E mesmo assim tu continua defendendo ele. "Racismo e estupro não podem ser justificados" - concordo com isso - "mas a situação do agressor contribuiu". Sério? Contribuiu?
Ah, para. Por favor, para.
Milhares de policiais arriscando suas vidas para TENTAR TE dar uma segurança de qualidade. Milhares deles em confronto com BANDIDOS para que TU não saia no prejuízo. "Mas é só o trabalho deles" sim, é o trabalho deles. E QUE TRABALHO! Têm alguns que erram? Têm. Mas dizer que o teu grupinho tava "de boa curtindo" e "do nada" os policiais chegaram batendo e dando porrada em todo mundo? Não. Alguma coisa aconteceu. Alguma coisa que tu não quer contar. Não é só o bandido que morreu que tem família. O policial tem também. E cá entre nós, teve uma vida muito mais digna de honra do que o bandido. Não me interprete mal, a vida dos dois tem o mesmo valor. Mas o policial morreu fazendo o que era correto. O que era o seu trabalho. Ele escolheu estar ali para que, talvez, a tua irmã não fosse estuprada; para que o teu celular, que o teu pai trabalhou tanto para te dar, não fosse roubado; para que teu filho que só se negou a dar SEUS pertences ao bandido, não fosse morto. Falta oportunidade para muitas pessoas? Falta. Falta educação de qualidade? Falta. Mas não vem querer defender quem está CLARAMENTE errado. Não. Por favor, não faz isso.