domingo, 12 de junho de 2016

Minhas aventuras no ônibus

Vocês provavelmente não vão achar nada demais as minhas histórias ou os meus dilemas, mas eu vou contar mesmo assim. Ônibus é um meio de transporte do dia-a-dia de muita gente, e parece ser uma coisa insignificante (e é, Bárbara!), mas rende uma boa dose de risadas ou dramas. O pior de tudo, é quando tu tá quase chegando na parada e o ônibus passa e tu não chega a tempo. Ô coisa chata! Aí tu tenta dar aquela corridinha básica - "vai que o motorista para um pouquinho depois e abra a porta pra mim" -, mas parece que os caras não fazem questão de serem gentis. Só o que resta é se lamentar e esperar...
Um dia o cobrador foi me devolver o troco - era em moedas - e quando eu fui passar a roleta, com o troco na mão, o ônibus deu aquela freada LEGAL e minhas moedas caíram todas no chão do bus. Uma voou, inclusive. Um cara muito queridão pegou e me devolveu. Não tinha muito porquê, afinal essas coisas acontecem com qualquer um, mas eu fiquei com uma baita de uma vergonha. Sentei imediatamente e torci para que ninguém tivesse dado muita bola.
Mas o melhor são as conversas do ônibus. Eu não fico de fone ou mexendo no celular porque tenho medo de ser assaltada (sim, tenho isso graças aos meus queridos papais), então o que me resta é dormir, ler ou ouvir a conversa dos outros. Tinha uma mulher um dia que não conhecia o bairro direito e começou a bater boca com o cobrador e com o motorista, nem lembro exatamente porque. Ela não deve ter entendido alguma informação que pediu. Tive que me segurar muito para não rir, pois claramente ela estava brava sem razão.
Ah, e às vezes senta umas pessoas do teu lado... Com cheiro de cigarro, suada, ou que não para de se mexer. Outra coisa horrível é quando tem alguém do teu lado no celular e tu fica com aquela vontade enorme de olhar o que a pessoa está fazendo (pelo menos comigo é assim, sou dessas curiosas). Bom, provavelmente vou continuar passando vergonha e me irritando algumas vezes nesse veículo TÃO LEGAL e eras isso.